Nova série: De olho no cabeçalho – Mazda 787B *atualizado

Como vocês sabem, semanalmente eu mudo o cabeçalho do nosso blog. Na maioria das vezes eu escolho fotos à esmo e raramente eu coloco alguma foto correspondente à algum fato, seja aniversário de um piloto ou de uma vitória de algum modelo. Mais raro ainda é eu comentar sobre a imagem. Portanto, toda semana teremos essa nova série no nosso blog.

E para a inauguração eu escolhi um modelo que ficou marcado na história do automobilismo: o Mazda  787B.

O carro mais conhecido é esse com a pintura laranja e verde.

O modelo acima ficou com a segunda posição em Le Mans.

Em 1991 a Mazda conquistou os dois primeiros lugares do pódio nas 24 Horas de Le Mans, se tornando a primeira montadora japonesa a vencer a tradicional prova francesa de resistência. Como se não bastasse, o modelo foi o único a vencer em Le Mans com o motor rotativo (R 26B Quad-Rotary), que é uma das características dos carros da Mazda.

O Mazda 787B concluiu 4923,200 km a uma velocidade média de 205,133 quilômetros por a hora e os pilotos naquela ocasião eram Bertrand Gachot, Johnny Herbert e Volker Weidler. O motor de 4 rotores é normalmente classificado como 2622cc, mas a FIA classificou o carro como um 4708cc pela dimensão de ter dois ciclos de potência por rotação. Normalmente aspirado, o motor produzia algo em torno de 700 HP.

Mas de acordo com nosso amigo Lui, a história não é bem essa:

“Ola Leandro, a Mazda não fez dobradinha em Le Mans em 1991, em segundo lugar ficou um Jaguar que tinha como um dos pilotos o brasileiro Raul Boesel, sendo esse segundo lugar em Le Mans foi um dos melhores resultados de pilotos brasileiros nas famosas 24 horas. Foram escritos 3 Mazdas sobre a chancela da equipe Oreca, que atualmente disputa o LMS com um Peugeot 908, e além do vencedor, um que possuia a presença do brasileiro Maurizio Sandro Sala ficou em sexto, e outro em oitavo. A única vitória da Mazda em toda sua passagem pelo antigo WSC ainda possui uma interessante historia que foi contada no site GP Total e que reproduzo aqui:

“MALANDRAGEM JAPONESA
Em 1991, a FIA determinou um aumento de peso, válido apenas para Le Mans, nos protótipos que disputavam o campeonato mundial. A Mazda, que desde alguns anos antes insistia sem sucesso em competir com motores Wankel (pistões rotativos), pediu à FIA uma autorização especial para ser dispensada do aumento no peso.
A FIA consultou as equipes mais competitivas (Jaguar, Sauber-Mercedes e Peugeot), que concordaram com a autorização. “Todo mundo pensou: ‘Mazda? Tá bom, deixa eles…’”, lembra Raul Boesel, que naquela corrida defendeu a Jaguar. Na corrida, o aumento no consumo de combustível decorrente do maior peso acabou prejudicando as equipes de ponta. Resultado: o Mazda, pouco competitivo em condições normais, venceu a corrida com Johnny Herbert/Volker Weidler/Bertrand Gachot. Foi a primeira (e até hoje única) vitória de uma marca japonesa em Le Mans, e o maior sucesso de um carro equipado com motor Wankel.”

Fonte: GP Total
(http://www.gptotal.com.br/2005/Especiais/Lemans/02.asp)

Bom, de onde eu tirei a dobradinha eu não sei, rsrsrs.

Depois do domínio apresentado pela Mazda, os motores rotativos foram banidos pelo regulamento.

Por causa da sua arquitetura, o motor produz um agradável som agudo, que até hoje seus principais concorrentes não devem ter esquecido.

Abraços



About these ads
Esse post foi publicado em 24 Horas de Le Mans, Curiosidades, De olho no cabeçalho, Esporte, Esportes, Le Mans, Mazda, Mazda 787B, Pessoal, Super Video e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Nova série: De olho no cabeçalho – Mazda 787B *atualizado

  1. Reblogged this on Fórmula Totale comentado:

    Add your thoughts here… (optional)

  2. Lui George disse:

    Ola Leandro, a Mazda não fez dobradinha em Le Mans em 1991, em segundo lugar ficou um Jaguar que tinha como um dos pilotos o brasileiro Raul Boesel, sendo esse segundo lugar em Le Mans foi um dos melhores resultados de pilotos brasileiros nas famosas 24 horas. Foram escritos 3 Mazdas sobre a chancela da equipe Oreca, que atualmente disputa o LMS com um Peugeot 908, e além do vencedor, um que possuia a presença do brasileiro Maurizio Sandro Sala ficou em sexto, e outro em oitavo. A única vitória da Mazda em toda sua passagem pelo antigo WSC ainda possui uma interessante historia que foi contada no site GP Total e que reproduzo aqui:

    “MALANDRAGEM JAPONESA
    Em 1991, a FIA determinou um aumento de peso, válido apenas para Le Mans, nos protótipos que disputavam o campeonato mundial. A Mazda, que desde alguns anos antes insistia sem sucesso em competir com motores Wankel (pistões rotativos), pediu à FIA uma autorização especial para ser dispensada do aumento no peso.
    A FIA consultou as equipes mais competitivas (Jaguar, Sauber-Mercedes e Peugeot), que concordaram com a autorização. “Todo mundo pensou: ‘Mazda? Tá bom, deixa eles…’”, lembra Raul Boesel, que naquela corrida defendeu a Jaguar. Na corrida, o aumento no consumo de combustível decorrente do maior peso acabou prejudicando as equipes de ponta. Resultado: o Mazda, pouco competitivo em condições normais, venceu a corrida com Johnny Herbert/Volker Weidler/Bertrand Gachot. Foi a primeira (e até hoje única) vitória de uma marca japonesa em Le Mans, e o maior sucesso de um carro equipado com motor Wankel.”
    Fonte: GP Total (http://www.gptotal.com.br/2005/Especiais/Lemans/02.asp)

    abraço

Os comentários estão desativados.