Equipes que não fizeram sucesso: Coloni (1ª Parte)

Juro que tenho que trocar o nome dessa seção, mas passo por uma crise de criatividade toda vez que vou postar sobre essas equipes. Talvez seja até influência de maus fluidos das extintas equipes, porque a cada dia que eu pesquiso sobre elas eu me assusto cada vez mais com as bizarrices. Me ajudem amigos.

Além da falta de um nome oportuno para a seção, hoje eu iria escrever sobre a Andrea Moda, uma das equipes consideradas mais… é, mais…

Falta palavras para definir a Andrea Moda.

Continuando a história, a Andrea Moda só existiu porque o dono dela comprou o espólio de outro desastre da F1: a equipe Coloni. “Intão” vamos respeitar a ordem e falar da Coloni primeiro.

Depois ter conquistado sucesso na F3 e ter tido uma regular participação na F3000 em meados da década de 80, Enzo Coloni resolveu tentar a sorte e teve a incrível idéia de montar uma equipe de F1, em 1987.

A Coloni em seu GP de estréia em 1987

O modelo FC 187 amarelo era um projeto bem simples, criado pelo engenheiro Roberto Ori (ex-Dallara) e empurrado pelo motor Cosworth DFZ. Logo na estréia, no GP de Monza, em setembro de 1987, acontece os primeiros indícios e que as coisas não iriam funcionar. O carro não havia feito nem o shake-down e eles queriam competir assim mesmo. Quem teve a dura missão de guiar o carro foi Nicola Larini. Era evidente que o carro não iria conseguir se classificar. Foram dois segundos mais lento que o último do grid e 12 segundos mais lento que o pole.

Já na Espanha eles conseguem se classificar para a corrida, na frente dos carros da Osella. Porém a aventura só dura sete voltas, pois Larini ficou a pé por causa da transmissão. Depois dessa corrida, a equipe decide não mais participar do campeonato de 87, concentrando suas forças para o ano de 1988.

Para o campeonato de 88 eles contrataram o piloto Gabriele Tarquini e permaneceram com os motores Ford. O ano até que começou bem, com Tarquini passando sempre pela qualificação.  No GP do Canadá  foi o ponto alto da equipe. Eles conseguiram a proeza de lagar em quinto e chegaram em oitavo no final da corrida. Foi o melhor resultado alcançado pela equipe em toda a sua curta história.

Coloni em 1988: o ano até que começa bem

Mas com o andar da carruagem a equipe começou a apresentar problemas devido a falta de dinheiro e até mesmo de empregados. Estava cada vez mais difícil passar da pré-qualificação e o carro sofria com os problemas mecânicos durante as corridas. Só para vocês terem uma idéia de como era ruim a equipe, depois do GP do Canadá, Tarquini não conseguiu classificar o carro em 4 corridas seguidas. Conseguiram largar em 8 corridas, terminaram quatro, não terminaram as outras quatro. E esse foi o melhor ano!

Porém, as esperanças estavam renovadas para o ano de 1989. Tudo porque ele conseguiu conseguiu alguns patrocinadores e  contratou um trio de engenheiros:  o designer Christian Vanderpleyn, Michel Costa e Frederic Dhainaut. Contando com dois carros a partir de agora, os pilotos contratados foram o francês Pierre-Henri Raphanel e um brasileiro que gostava de sofrer, Roberto Moreno.

Por causa do 8º lugar obtido no Canadá no ano anterior, um dos carros da Coloni não iria mais passar pela pré-qualificação na primeira metada do campeonato. Esse carro ficava a cargo de Moreno, enquanto Raphanel iria penar nas pré-qualificações.

No início de 89 o carro ainda era o de 87 com algumas atualizações

Mas se você pensa que os problemas estavam acabados, esta totalmente enganado. Eles não conseguiram prepara o novo carro para o início da temporada. Com isso, deram uma guaribada no carro do ano anterior, que já era uma guaribada do ano de 1987 e se mandaram para as primeiras provas do ano. O carro simplesmente era 20km/h mais lento do que qualquer carro do grid. Por causa disso, Moreno não conseguiu classificar o carro nas duas primeiras corridas do ano e Raphanel nem passou pelas pré-qualificações. Um desastre.

Chegaram em Mônaco e aí aconteceu o milagre. Moreno consegue o 25º tempo e classifica o carro para o grid. E a cagada foi ainda maior porque Raphanel conseguiu classificar seu carro para o 18º lugar. Uma borrada completa que nunca mais foi visto os dois carros juntos no grid de largada. Mas como felicidade de pobre dura pouco, ambos abandonam a corrida por problemas no câmbio. E nas duas corridas seguintes nada de Coloni no grid.

Lançamento do novo carro em 89: aquele sorriso do Moreno iria sumir até o final da temporada

Na corrida do Canadá, a Coloni apresentou um carro totalmente novo e uma pintura nova, cinza, branca e azul. Com um carro menos horroroso, Moreno se classificou para o grid e vinha fazendo uma ótima corrida, até perder uma roda e ter problemas no motor. Raphanel nem passou da pré-qualificação. Devido aos maus resultados, a Coloni caiu para a pré-classificação a partir da corrida da Alemanha.

Moreno procurando a roda da Coloni

Em Portugal, a Coloni contratou Gary Anderson como freelancer. Anderson desenvolveu um bico novo, que parecia muito eficiente, e que realmente melhorou muito o carro. Moreno passou da pré e largou em um excelente 15º lugar no grid. Só que uma batida no warm-up com Eddie Cheever arrebentou o carro e Moreno teve de largar com o reserva, que deveria ser um remendo de outros carros da equipe. Sua corrida acabou na 11ª volta.

Moreno voando: Tomou uma do Eddie Cheever

E o pior estava por vir pois eles não tinham outra asa dianteira pronta para o GP seguinte, na Espanha. E quando o bico ficou pronto, o carro simplesmente não tinha velocidade em reta. Eles não coseguiram mais passar da pré-qualificação com o carro. Para quem tinha tanta esperança no início, o final de temporada foi melancólico para a Coloni, que praticamente não existia mais , pois terminou o campeonato com apenas seus dois pilotos, seis mêcanicos e o seu gerente de equipe.

No próximo post sobre a equipe, falarei a respeito dos dois últimos anos da equipe.

Aguardem, pois haverá surpresas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Coloni, Cosworth, Curiosidades, Equipes que não fizeram sucesso, Esporte, Esportes, formula um, Larini, Moreno, Pessoal, Raphanel, Tarquini e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Equipes que não fizeram sucesso: Coloni (1ª Parte)

  1. Pingback: Coloni (Parte 1) « Eau Rouge

  2. Pipe disse:

    Cara, fiquei com pena dos caras… Fizeram de tudo com um carro ruim e quando parece que vai melhorar, dá algum problema… enfim, não conhecia a história e nem a equipe, mais uma vez ótimo post!

    Falou,

    Curtir

  3. Jose Ferreira disse:

    Belo texto.
    As pequenas equipas dessa época tinham o seu encanto… Vou ficar à espera da continuação, pois claro, vais ter de falar do penoso ano em que o nosso piloto português, Pedro Matos Chaves, tentou qualificar o fraquíssimo Coloni.

    Abraço
    José

    Curtir

Os comentários estão encerrados.