Seção Retrô – 35 anos do GP Brasil 1974

Tem bastante tempo que eu quero postar este artigo. Acho que hoje é a data ideal, pois o episódio completou 35 anos ontem.

Na temporada de 1973, Emerson Fittipaldi (campeão em 1972) e Ronnie Peterson tinham o melhor carro da temporada, o Lotus 72D. Porém, ambos ficaram tão empenhados em arragar pontos um do outro que acabarm dando o título daquele ano para Sir Jackie Stewart.

Em 73 Jackie Stewart foi beneficiado pela briga interna na Lotus

Em 1974 Emerson acabou sendo seduzido McLaren/ Marlboro ($$$) e se tranferiu para lá. Peterson acabou se tornando o piloto nº 1 da Lotus e Niki Lauda estava estabilizado na Ferrari. Além disso, Reutemann teria uma promissora e aperfeiçoada Brabham “pirâmide” em suas mãos. A projeção que formou foi de que teríamos um campeonato bastante disputado.

Brabham “pirâmide” de Reutemann

A 1ª etapa da temporada de 74 aconteceu em Buenos Aires e vencida por Denny Hulme (McLaren), seguido por Lauda e Regazzoni (Ferrari). Reutemann chegou em 6º e Emerson havia chegado apenas em 10º.

A segunda etapa do campeonato de F1 daquele ano foi em Interlagos. Naquela época, Interlagos era um circuito que apresentava 8 km de extensão, com várias encostas na parte externa e curvas em 180° longos e rápidos, com ondulações que exigiam o máximo do carro e do piloto. Era a segunda vez que a F1 correria por lá de forma oficial.

Emerson aproveitou sua experência no circuito e anotou a pole, com uma diferença de 1 segundo à frente de Carlos Reutemann. O terceiro lugar foi para Niki Lauda e em 4º estava Ronnie Peterson. A terceira fila era ocupada pelo segunda Lotus de Jack Ickx e o Shadow de Peter Revson. Na quarta fila estava a terceira McLaren, condizida por Mike Hailwood e a Ferrari de Regazzoni. Pace sairia em 12º, com seu Surtees.

Lauda e sua Ferrari: ele e…

Peterson não sabiam do azar que teriam durante a corrida

Para o dia da corrida, 27/01, a previsão do tempo anunciara que iria chover e o rei da chuva na época, Jacky Ickx, era o favorito. A tática que Emerson traçou era abrir uma grande diferença para a eventual troca de pneus por causa da chuva. O dia amanheceu cinza, quente e abafado e lá foram eles para a largada.

O encarregado da largada abaixou a bandeira cedo demais e Emerson acabou sendo ultrapassado por Reutemann e Peterson, caindo para a 3ª posição, enquanto que a Ferrari de Lauda se arrastava por causa de problemas mecânicos.

Porém, Reutemann escolheu um conjunto de pneus mais macio, que se degradaram rapidamente por causa do calor. Reutemann diminui o ritmo,  Peterson e Emo avançam e conseguem fazer a ultrapassagem em cima do argentino. Os dois antigos companheiros de Lotus passam então a travar um grande duelo pela liderança da prova.

Ronnie Peterson e Emerson Fittipaldi brigando pela liderança

Para a infelicidade de Peterson, ele é obrigado a fazer um pit depois de 19 voltas por causa de um furo em um dos pneus. Fittipaldi assume a liderança e na volta 29 começa a forte chuva “programada”. O diretor da prova, o brasileiro Mario Patti, até que esperou mais três voltas, mas chuva piorou. Como havia dois terços da prova (total de 40 voltas), ele resolveu encerrar o  GP na 32ª volta.

Emerson liderava com 13 segundos à frente da Ferrari de Clay Regazzoni, que na época reclamou da decisão, dizendo que o diretor da prova beneficiou Emerson. Mas acho que Regazzoni não iria tirar 13 segundos em 8 voltas.

Mesmo dando mole na largada, a vitória caiu no colo de Emerson Fittipaldi. A segunda seguida em Interlagos.

Quem chora não mâma: Regazzoni reclamou mas não levou.

Completando o pódio ficou Jacky Ickx, com a Lotus, seguido de José Carlos Pace, Mike Hailwood e Ronnie Peterson.

Pace chega em quarto. No ano seguinte era ele quem venceria.

Foi a segunda vitória seguida do brasileiro na pista paulista. Metódico, Emerson ganhou mais duas corridas ao longo da temporada e levou o título em cima de Clay Regazzoni.

Espero que tenham gostado da história.

Abraços

Anúncios
Esse post foi publicado em Brabham, Brasil, Curiosidades, Denny Hulmer, Esporte, Esportes, Ferrari, Fittipaldi, formula um, Interlagos, Lauda, Lotus, McLaren, Pace, Pessoal, Regazzoni, Retrô, Reutemann, Seção Retrô, Stewart, Surtess, Tyrrell e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para Seção Retrô – 35 anos do GP Brasil 1974

  1. Bela história, um texto que eu não havia lido, e aprovo!

    É uma boa saída para a pós-temporada, abrir o baú e tirar textos antigos.

    Um abraço, Leandro.

    Curtir

  2. Jose Ferreira disse:

    Esta secção história é das melhores. Adoro F1 dos anos setenta e como tal gostei. Excelente fotos, principalmente a do Lauda e da sua Ferrari 312B3… eheheh! o meu ídolo na F1.
    Excelente. Nota 5!
    Grande abraço

    Curtir

  3. Pipe disse:

    Excelente história, ótimas fotos. Aprendo muita coisa aqui cara.
    Falou, abraço.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.