Seção Retrô: Fittipaldi F1 – 1ª parte

A seção que eu mais gosto de escrever esta de volta. Se bem que ela nunca deixou de estar entre nós. Ela sempre aparece em companhia de outras categorias aqui do blog.

Claro, o texto faz parte de uma reedição dos especiais que eu escrevi para o falecido site Virtua Box. Portanto, para quem não leu na época, que aprecie sem moderação. E para aqueles que já leram, que fiquem a vontade para relembrar a grandiosa história dos irmão Fittipaldi.

O nome Fittipaldi é sinônimo de automobilismo e velocidade aqui no Brasil. Conhecidos e respeitados mundialmente pelo talento demonstrado dentro e fora das pistas, os irmão Emerson e Wilson Fittipaldi resolveram montar a sua própria equipe de F1. Como sabemos, o povo brasileiro sempre padeceu com sua profunda falta de conhecimento e o que era para ser motivo de orgulho para o país, foi para muitos, motivo de piada durante o final dos anos 70 e início da década de 80. Portanto, nada mais justo do que tentar apagar os erros do passado e contar um pouco da história da única equipe totalmente brasileira que já participou da F1.

Como a história é bem conhecida e cheia de detalhes, resolvi apenas descrever os principais acontecimentos, os principais resultados obtido pela equipe e mostrar os carros produzidos pela Fittipaldi Automotive Ltd, seu nome de registro na FIA.

Nas oito temporadas que participou da F1, a Fittipaldi F1 acumulou 44 pontos em 104 GPs. Nenhuma vitória foi conquistada, é verdade, mas foram dezenove presenças nos pontos, numa época em que apenas os seis primeiros marcavam.

Só para efeito de comparação: a extinta equipe Jaguar, que pertencia a poderosa Ford, acumulou 49 pontos e dois pódios em 85 GPs. A grande diferença é que a Ford tinha dinheiro para gastar, e os irmãos Fittipaldi não tinham. Pelo menos na época.

A Fittipaldi F1 fez sua estréia na Fórmula Um em 1975. Contando com um orçamento pequeno e sem apoio logístico ou subsídios da Associação dos Construtores, a equipe até que conseguiu bons resultados, embora tenha colecionado várias quebras durante o ano. O problema era simples: como não havia dinheiro, os irmãos só podiam adquirir motores, câmbio e outras peças importantes remanufaturadas, pois estas eram bem mais caras e disponíveis apenas para as equipes de ponta.

Wilsinho em ação durante o GP do Brasil de 1975

O carro pegou fogo durante o GP da Argentina

Wilson Fittipaldi é quem teve a grande responsabilidade de guiar os modelos FD01, FD02 e FD03, projetados pelo iniciante Ricardo Divila, durante a primeira temporada.

Os resultados obtidos foram:

13º – GP Brasil – Wilson Fittipaldi

12º – GP Bélgica – Wilson Fittipaldi

17º – GP Suécia – Wilson Fittipaldi

11º – GP Alemanha – Wilson Fittipaldi

19º – GP Inglaterra – Wilson Fittipaldi

11º – GP Itália – Arturo Merzario**

10º – GP Estados Unidos – Wilson Fittipaldi

**Obs.: Arturo Merzario disputou o GP da Itália pela Fittipaldi, pilotando o carro de Wilson.

Em 1976 a equipe passa por uma grande mudança. Emerson Fittipaldi recusa uma oferta da Ferrari para se tornar o piloto da equipe e Wilson Fittipaldi ficou encarregado de ajudar no desenvolvimento do carro. A equipe também tinha em seu staff o piloto Ingo Hoffman. Neste ano, a equipe utilizou os novos FD04 e marcou seus primeiros três pontos, ficando em 11º lugar no mundial, na frente de equipes como Williams e Brabham.

Em 1976 durante o GP do Brasil.

Os resultados obtidos foram:

11º – GP Brasil – Ingo Hoffmann**

13º – GP Brasil – Emerson Fittipaldi

17º – GP África do Sul – Emerson Fittipaldi

6º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

6º – GP Mônaco – Emerson Fittipaldi

6º – GP Inglaterra – Emerson Fittipaldi

13º – GP Alemanha – Emerson Fittipaldi

Alemanha 1976

15º – GP Itália – Emerson Fittipaldi

9º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

** Ingo disputou somente 6 GPs e não obteve classificação em 3: Estados Unidos, Espanha e França.

No ano de 1977 a equipe muda de nome, passando a se chamar Fittipaldi e seus bólidos ganharam novas cores. A equipe manteve a dupla de pilotos e, ao longo da temporada, apresentou mais um novo modelo, o F5, projetado pelo inglês John Baldwin. Emerson até que começou bem a temporada, com dois quarto lugares, porém esses resultados foram conquistados pelo abandono dos outros pilotos. Mesmo com o carro novo, a equipe não conseguia repetir os  resultados ao longo do ano. Começava os boatos que Emerson ficava na Copersucar por causa de dinheiro.

Emo em Long Beach: o modelo era o antigo FD04, mas agora com a pintura amarela.

Os resultados obtidos foram:

4º – GP Argentina – Emerson Fittipaldi

4º – GP Brasil – Emerson Fittipaldi

7º – GP Brasil – Ingo Hoffmann

10º – GP África do Sul – Emerson Fittipaldi

5º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

14º – GP Espanha – Emerson Fittipaldi

18º – GP Suécia – Emerson Fittipaldi

11º – GP França – Emerson Fittipaldi

11º – GP Áustria – Emerson Fittipaldi

4º – GP Alemanha – Emerson Fittipaldi

13º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

**Ingo disputou somente 2 GPs, da Argentina (abandonou) e Brasil.

A equipe somou 11 pontos, ficando em 9º colocado no Mundial de Construtores, a frente das famosas BRM, Renault, March e Penske.

Porém, os resultados da pré-temporada de 1978 foram bastante promissores. O carro de 1977, o F5, havia sido revisado por Giacomo Caliri, que melhorou bastante a aerodinâmica e outras áreas do carro, dando origem ao modelo F5A. Fora isso, a equipe passou por profundas mudanças na sua forma de trabalhar.

E 1978 acabou sendo o melhor ano da equipe na F1. Com um carro bastante consistente, Emerson arrebatou um 2º lugar no GP do Brasil (o primeiro GP do Brasil em Jacarepaguá). Além disso, pontuou diversas vezes ao longo do ano, somando 17 pontos no final do campeonato. Ficou em 7º lugar no Mundial de Construtores, a frente das famosas McLaren, Williams, Arrows e Renault.

Acho o F05 um dos modelos mais bonitos.

Os resultados obtidos foram:

9º – GP Argentina – Emerson Fittipaldi

2º – GP Brasil – Emerson Fittipaldi

8º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

9º – GP Mônaco – Emerson Fittipaldi

6º – GP Suécia – Emerson Fittipaldi

4º – GP Alemanha – Emerson Fittipaldi

4º – GP Áustria – Emerson Fittipaldi

5º – GP Alemanha – Emerson Fittipaldi

8º – GP Itália – Emerson Fittipaldi

5º – GP Estados Unidos – Emerson Fittipaldi

Espero que tenham curtido essa primeira parte da história da equipe. Prometo que até sexta  contarei a parte final da história.

Anúncios
Esse post foi publicado em Argentina, Copersucar, Curiosidades, Esporte, Esportes, Fittipaldi, Fittipaldi F1, formula um, História, Histórica, Históricos, Hoffman, Hoffmann, Interlagos, Merzario, Pessoal, Retrô, Seção Retrô e marcado , , . Guardar link permanente.