Schumacher e o alívio

Eu não ia escrever sobre isso, pois todo mundo vai falar quase que a mesma coisa e tal. Mas o momento é histórico, então…

Schumacher anunciou nesta quinta que a temporada de 2012 será a última dele na Fórmula Um. A sua última prova será em Interlagos, palco da sua primeira despedida. E que bela despedida, diga-se de passagem. Inclusive, desenterrei do meu arquivo morto uma coisa que vai parar aqui no blog. Só não sei quando, mas o momento é propício.

Muitos acham que ele não deveria ter voltado em 2010, inclusive eu. Mas todos nós temos o direito de fazer o que bem entendemos e sua vontade de voltar a competir era maior do que a vontade de ficar em casa. A sua paixão pesou mais naquele momento e tinha essa ligação com a Mercedes que estava meio que mal resolvida.

Passados quase três anos, o balanço que temos é que o alemão teve uma passagem discreta, ainda mais se levarmos em conta que trata-se de Schumacher. Vários motivos podem ser apontados para o desempenho abaixo do esperado, inclusive os carros. Se compararmos com seu companheiro de equipe, veremos que ele não foi tão mal assim. Fez o possível, alcançou o pódio em algum momento e chegou a ser o mais rápido em Mônaco neste ano, mas sofreu punição e perdeu a pole. Embora não tenha manchado sua reputação, Schumacher andou fazendo umas barbeiragens brabas, algo que não combina com sua história extremamente vitoriosa.

E que dessa vez escolha algo bacana para fazer. A Fórmula 1 exige demais do camarada. São muitas corridas, testes, simulações… Existe muita coisa bacana para correr e ele pode escolher qualquer uma delas, pois o mundo dos negócios no automobilismo esta aberto para ele.  No final das contas, ele chegou nessa mesma conclusão e disse que esta aliviado com a decisão de abandonar o circo.

Daqui a pouco eu desenterro algum post do passado.

Inté

Anúncios
Esse post foi publicado em Esporte, Esportes, formula um, Notícias, Schumacher e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Schumacher e o alívio

  1. Nelson Gomes disse:

    Obrigado pelo retorno, e concordo com o esta escrito, eu acompanhei esta corridas, me lembro destes fatos.
    Parabéns a equipe da fórmula total, estão por dentro do assunto
    é o por isso que eu gosto da equipe Mclaren, sempres deixa os pilotos diciderem na pista, isto é automobilismo.

    SDS.

    Curtir

    • Equipe da Fórmula Total?? Infelizmente somente eu sou responsável pelo blog. Mas fico feliz em passar essa impressão de ter mais gente escrevendo e trabalhando para levar um blog que tem uma perspectiva diferente dos demais. Tento fazer um trabalho diferenciado, embora às vezes acabamos publicando algo que já foi publicado em outros lugares.
      Valeu Nelson

      Curtir

  2. Nelson Gomes disse:

    Lembrando que desta vez, ele não encontrou tanta proteção como nos outros tempos, protegido pela ferrari, na corrida nos Estados Unidos, prejudicando a vitória do Rubens e outras tapassas que fez com o nosso PILOTO, Ayrton Senna e outros profissionais e que não sofreu nenhuma punição. E aproveitando a deixa. Quando será que a ferrari vai deixar de proteger o Fernando Alonso, eu pergunto será que a diferença de carro é tão grande assim que o Massa não consegue, porque as Sauber, Mercedez, Reunalt, Mclaren, Red Bull e outras equipes andam juntas? Gosto muito de automobilismo e motociclismo mas não concordo com proteção, afinal todos tem o mesmo direito de vencer, embora seja pelo campeonato, mas as corridas da F1 deveria ser como era no tempo de NELSON PIQUET, AYRTON SENNA, EMERSON e NIGUEL.

    Obrigado.

    Curtir

    • Olá Nelson

      Olha, tá certo que o título de 94 pode ser questionado pelas mutretas. Mas, pelo que eu sei, as outras equipes também tinham mutretas. A grande diferença é que descobriram na Benetton e no resto não. Não existe herói e mau caráter nessa história.
      Prost jogou o carro em cima de Senna, ok. Mas Senna deu o troco na temporada seguinte. 1 x 1!
      Sobre ter proteção dentro da equipe, isto é histórico. Durante a década de 80 temos vários casos. Patrick Head defendia Mansell na Williams contra Piquet em 86 e 87. Tanto que eles perderam o campeonato de 86 por causa dessa briga interna. Prost, então na McLaren, levou o título daquele ano. Piquet acabou vencendo em 87.
      Não me lembro se foi em 85 ou 86, mas Alboreto era 1º piloto e protegido na Ferrari quando Berger chegou na equipe. Porém, o austríaco acabou sendo muito superior que Alboreto e acabou virando o jogo na equipe. Antes disso, Alboreto era protegido na Tyrrell.
      Senna era favorecido na Lotus em 86.
      E temos o caso mais trágico. No início da década de 80 a Ferrari trabalhava para Villeneuve. Tanto que em 82 Pironi enfrentou essa resistência, passou por cima da ordem da equipe e acabou quebrando um acordo que havia entre eles e equipe: quando um estivesse na frente, o outro não poderia ultrapassar. Pironi ultrapassou Gilles, desprevenido, nas voltas finais do GP de San Marino. No GP seguinte, Gilles morreu justamente quando tentava largar na frente de Pironi.
      Em 2003, o carro da Ferrari não era tão bom e Schumacher enfrentava problemas com ele. Rubens se deu melhor e pressionou muito o alemão a ponto de a equipe ficar dividida. O alemão acabou melhorando seu desempenho ao longo do ano e acabou levando o campeonato.
      Mais recentemente, tivemos um caso entre Webber e Vettel.
      Sempre haverá um piloto que será mais bajulado dentro de uma equipe. Se os brasileiros quisessem ser esses bajulados, que fossem mais rápido que seus companheiros.
      Eu acho que a única equipe que deixa o pau quebrar mesmo é a McLaren. Nas até certo ponto.
      Abraços

      Curtir

Os comentários estão encerrados.