Seção retrô: GP de San Marino 1985

Acho que perdi a prática para textos longos. Só acho.

track-map san marinoO campeonato de 1985 estava prometendo. A primeira corrida foi realizada no Rio de Janeiro, tendo Prost (McLaren TAG-Porsche) como o grande vencedor. Já a segunda corrida da temporada, Ayrton Senna (Lotus-Renault) havia vencido de forma brilhante o GP de Portugal, realizado em Estoril. Williams-Honda e Ferrari eram outras duas grandes forças do campeonato e estavam sempre frequentando o pelotão da frente. Para embaralhar ainda mais a classificação, sempre havia um ou outro carro de uma equipe mediana que dava as caras entre os seis melhores de cada GP. E foi com essa perspectiva que a Fórmula Um desembarcou em Imola para o GP de San Marino.

Antes mesmo de começar os treinos, as coisas já estavam movimentadas. Foi revelado que a Ferrari havia demitido René Arnoux logo após a corrida carioca e não houve nenhuma explicação para o fato. Em seu lugar entrou Stefan Johansson. A Minardi apresentava a novidade, estreando os novos propulsores da Motori Moderni Turbo, projetados por Carlo Chiti. Outro assunto comentado no paddock era de que a Benetton abandonaria a Alfa Romeo para apostar no projeto da Toleman.  A Alfa vinha apresentando um desempenho horroroso naquele ano, a ponto de não classificar mais uma vez para a corrida devido a problemas para encontrar um fornecedor de pneus.

Porém, com uma distância de mais 300 quilômetros a serem percorridos, com longas retas em aceleração total, além das subidas e decidas, o GP de San Marino era um grande teste para as equipes que contavam com os motores turbinados, pois esses gostavam mais de gasolina do que eu de cerveja. Para completar, havia chovido durante os treinos e no warmup realizado no domingo pela manhã, deixando a pista ainda mais escorregadia e aumentando ainda mais o consumo de combustível.

Por falar em treino, o classificatório ocorreu de forma normal, com Ayrton Senna conquistando sua segunda pole da carreira e a segunda consecutiva do ano. Rosberg provou que a Williams tinha um pacote bem equilibrado e ficou com a segunda posição, sendo superado pelo brasileiro em apenas 30 milésimos.

Senna San Marino 85Senna durante a corrida: sua segunda pole.

Na segunda fila estavam a Lotus de Elio de Angelis e a Ferrari de Alboreto. O quinto lugar foi ocupado pela surpresa dos treinos, a Arrows-BMW do belga Thierry Boutsen e ao seu lado largava Prost, com sua McLaren. Mansell (Williams) largaria em sétimo, seguido de Niki Lauda (McLaren), a Brabham-BMW de Piquet em nono e Arrows-BMW de Berger fechando em décimo.

No horário da corrida, o tempo estava nublado e seco, o que fez com que todos saíssem com os pneus de pista seca. Senna larga bem e mantem a ponta. Rosberg, pelo contrário, larga muito mal, e acaba sendo ultrapassado por  De Angelis, Alboreto e Boutsen. Elio até tentou ir para cima de Senna, mas seu carro contava com um motor menos potente, porém o eficiente EF15, enquanto que o carro pilotado por Senna tinha uma unidade EF4.

gp_san_marino_1985_001

Largada San Marino

E o problema de Elio, naquele momento, era mesmo o motor. Michele Alboreto tinha em mãos uma Ferrari muito mais rápida e acabou ultrapassando De Angelis. A partir daí passou a pressionar Senna até a 30ª volta, quando teve que ir para os boxes – para desespero da italianada – por causa de problemas elétricos. Nesse meio tempo, houve uma série de ultrapassagens e brigas por posições, enquanto que o sueco Stefan Johansson fazia uma corrida brilhante de recuperação depois de largar em 15º.

Depois de várias trocas de posições, ultrapassagens, pegas e escapadas, Prost é quem estava em segundo, caçando Senna na pista. Prost até tentou por várias vezes ultrapassar Senna, mas o brasileiro se manteve firme na liderança. Em determinado momento, o francês reduziu o seu ritmo, poupando o seu carro.

Johansson foi destruindo seus adversários um a um. Teve alguma dificuldade para passar De Angelis, mas conseguiu superá-lo. Logo mais à frente estavam Nelson Piquet com Thierry Boutsen. E o sueco protagonizou a cena mais bacana da corrida. Contornando a Tosa por fora, ele se posicionou atrás da Arrows do belga, cravou o pé ladeira acima, passou os dois e foi ovacionado pelos milhares de torcedores. Brilhante!

Ocupando a terceira posição, o sueco não tomou conhecimento de Prost, passou como quis, assumindo a segunda colocação. A cinco voltas para o fim da corrida, o sueco estava apenas 7 segundos atrás do brasileiro. Na volta seguinte a diferença caiu para apenas 5 segundos.

Senna então começou a sentir problemas na sua Lotus. Na volta 56, o brasileiro aparece balançando seu carro na tentativa de pescar mais algum combustível. Esforço em vão. Johansson passa o brasileiro, assumindo o primeiro lugar, para delírio da torcida na arquibancada. Alegria que dura poucos metros, pois poucas curvas depois, quando chega a Acqua Minerale, o sueco ficou sem combustível. Final dramático na pista italiana!

ferrari-1985-johansson-san-marino-01 Johansson San MarinoJohansson: um dos nomes da corrida, mas acabou sucumbindo por causa do combustível.

Quem acaba assumindo a ponta da corrida é Prost, com De Angelis em segundo. Nelson Piquet vinha em terceiro, mas sua Brabham também secou o tanque de combustível.  Boutsen herda heroicamente a posição do futuro tri campeão.

Com isso, Prost simplesmente controlou a diferença que ele havia aberto para De Angelis e cruzou a linha de chegada em primeiro, observando Boutsen empurrando sua Arrows sem combustível para assegurar o terceiro lugar!. O italiano da Lotus fica com a segunda posição. Em quarto, e com sua rastejante Renault, aparecia Patrick Tambay.

Angelis San MarinoGrande corrida de De Angelis

boutsen san marinoBoutsen empurrando sua Arrows no final da corrida para garantir seu lugar no pódio.

podioimola1985Prost levantou o caneco, mas não levou.

Na volta de retorno, Prost acaba ficando sem combustível e encosta o seu carro na margem da pista. E essa seca acaba comprometendo a corrida de Prost, pois acabou desclassificado. Seu carro apresentou dois quilos a menos que o permitido.

Dessa forma, a vitória caiu no colo do De Angelis, que também havia sido desclassificado, mas depois conseguiu assegurar a vitória. Uma vitória que ele sequer liderou e nem levantou a taça, é verdade, mas ganhou por apostar no motor certo e manter-se sempre entre os primeiros.

As últimas voltas:

Anúncios
Esse post foi publicado em Angelis, Arrows, Boutsen, Curiosidades, De Angelis, Esporte, Esportes, Ferrari, formula um, Imola, Johansson, Lotus, Prost, Retrô, San Marino, Seção Retrô, Senna e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Seção retrô: GP de San Marino 1985

  1. fabehr disse:

    Já pensou se o sueco tivesse vencido com a Ferrari?? Iria se aposentar em Maranello kkk. Mto legal este post ;)

    Curtido por 1 pessoa

  2. Nelson Gomes disse:

    Bom dia!

    Bons tempos da formula 1

    SDS.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.