Seção Retrô: Brabham BT45

8-martini-racing-brabham-alfa-romeo-bt45-Photo Tony DuffyGetty

A seção mais tradicional do blog está de volta. Desta vez a história contada é sobre o que a Brabham de Bernie Ecclestone construiu para as temporadas de 1976, 77 e no início de 78.

A intenção era colocar essa belezura na minha lista de os mais belos carros já feitos na F1, como havia adiantado no post anterior. Mas eu mudei de ideia porque o post ficou bem comprido para o formato de lista que eu montei.

Eis então a história do Brabham BT45.

Em 1976 Bernie procurava uma forma de levar vantagem sobre seus rivais que utilizavam os motores Cosworth. Para conseguir tal vantagem, Ecclestone assina um “ótimo” contrato de exclusividade com a Alfa Romeo, que forneceria os motores flat 12 de 3.0 litros de gratuitamente. De acordo com os sites que eu li, Bernie conseguiu fechar esse acordo graças à Martini, principal patrocinadora da equipe. Além disso, a receita do motor – flat 12 – já havia dado resultados anteriormente, rendendo dois títulos à Ferrari em anos anteriores.

Esses motores foram criados pelo engenheiro Carlo Chiti e tiveram grande sucesso nas provas do mundial de endurance durante 3 anos. Empurrando os modelos Type 33 da marca italiana nas provas de resistência, a Alfa tinha acabado de se tornar campeã do certame mundial em 75.

O restante do projeto do BT45 ficou à cargo de ninguém menos que Gordon Murray. O modelo modelo anterior, e não menos belo BT44, havia se mostrado muito competitivo nos anos anteriores com os motores ingleses, chegando a vencer 3 GPs na temporada de 1975. Além disso, houve mudanças na pintura dos carros, mostrando que o vermelho combina muito bem com as tradicionais cores da Martini. Se você observar no post anterior, o carro havia sido apresentado com as cores utilizadas na temporada anterior.

10703788_693686130710403_1713155042574779140_nO belo BT44 venceu 3 corridas em 75, levando a Brabham ao vice campeonato de construtores daquele ano.

__00brabham00rsswFoto rara, com Pace andando com o BT45 ainda na cor branca.

Até aqui nós podemos imaginar que, na teoria, o carro seria um belo projeto e que os pilotos Carlos Reutemann e José Carlos Pace teriam chances reais de disputa pelo título. Porém, o carro tinha um crônico problema de confiabilidade no geral e seu motor, embora tivesse um baixo centro de gravidade, era pesado, beberrão e fornecia pouca potência (cerca de 500 cv). Murray teve que fazer modificações profundas na parte traseira do carro para que pudesse encaixar o V12, e isso fez com que o carro fosse ruim de pilotagem.

Com todos esses problemas listados, o carro não terminou a maioria das corridas e Reutemann sai da equipe, faltando ainda 4 etapas para termino do campeonato de 76. Num primeiro momento, o argentino foi substituído por Rolf Stommelen no GP da Itália. Em seguida, quem assumiu o cockpit do BT45 nas três últimas etapas foi Larry Perkins. Os pilotos tiveram como melhores resultados 3 4º lugares e um terceiro lugar no GP da França, fazendo com que a Brabham caísse de 2º na temporada passada, para o 9º lugar tabela de construtores, com 9 pontos.

carlosreutemannbrabhambt451976monacogp-l-03baedb6f58af4d1Reutemann testando novas entradas de ar em Mônaco – 1976

8517785958-e966b59d6c-1Aqui o carro já apresenta as modificações feitas nas entradas de ar na parte traseira

Para 1977, Murray cria a especificação B do projeto, que consistia uma série de modificações na suspensão, introdução novos suportes para o motor e uma nova caixa de câmbio, essa mais leve. Houve também uma mudança de pilotos. John Watson seria o companheiro de Pace.

Logo de cara o carro se mostrou mais competitivo, quando Pace conquistou o segundo lugar no GP da Argentina, etapa que abria o campeonato de 77. Pace também liderou 13 voltas no GP da África do Sul antes de abandonar.

Porém, Pace morre de forma trágica e Watson passa a ser o principal piloto da equipe. O brasileiro foi substituído pelo alemão Hans-Joachim Stuck.

martini.tif

Jhon Watson e o BT45B – Mudanças na lateral foram marcantes para 1977

Brabham BT45B- 1977

Embora o carro continuasse a apresentar uma série de problemas, o ano de 77 foi muito melhor para a equipe. Watson conseguiu uma pole em Mônaco e um segundo lugar na França (abaixo temos o vídeo das últimas voltas), enquanto que Stuck conquistou mais dois terceiros lugares. Com a melhora dos resultados em geral, a equipe subiu do nono lugar conquistado em 76, para o quinto lugar na tabela de construtores, com 27 pontos.

Em 1978 a Brabham contaria com o revolucionário BT46, mas como ele não ficou pronto para o início da temporada, restou a Murray dar um tapa no modelo de 77 e transformá-lo na terceira especificação, o feioso BT45C. Para o lugar de Stuck, a Brabham contratou ninguém menos que Niki Lauda.

Embora o BT45C tenha um bico horrendo, não deixarei de contar como foi a sua curta história. O modelo foi utilizado apenas nas duas primeiras etapas do campeonato de 78, com Niki Lauda obtendo mais dois pódios para a história do BT45. Um segundo lugar na Argentina e terceiro no Brasil.

1978_Brabham_BT45C_Alfa_Romeo_Niki_Lauda_ARG01Em 1978 era feioso, desempenho satisfatório.

bobby_deerfield_1Outra curiosidade que fez com que esse carro não entrasse no post dos carros mais bonitos foi sua participação no filme “Um Momento, uma Vida”. O filme é estrelado por Al Pacino, que nas filmagens utilizou o uniforme do saudoso Jose Carlos Pace.

De acordo com o Wikipédia, Bobby Deerfield (Al Pacino) é um famoso corredor de carro que participa do circuito europeu, quando apaixona-se perdidamente por uma bela e enigmática garota chamada Lillian Morelli (Marthe Keller). O drama começa no momento em que ele descobre que a jovem sofre de uma doença terminal.

As cenas do filme são demais!

Vamos ao vídeos:

Pega pra capar no GP da França de 77.  A vitória escapa na última volta.

Pedacinho do filme.

Voltinha onboard, para ouvir o ronco do Alfa

Para fechar o post eu deixo uma galeria de fotos.

Abraços

Anúncios
Esse post foi publicado em Al Pacino, Alfa Romeo, Argentina, Brabham, Carlo Chiti, Cinema, Curiosidades, Espanha, Esporte, Esportes, formula um, França, Gordon Murray, Hans-Joachim Stuck, Itália, Jacarepaguá, Larry Perkins, Lauda, Mônaco, Pace, Retrô, Reutemann, Rio de Janeiro, Rolf Stommelen, Seção Retrô, Stommelen, Watson e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s